domingo, 29 de junho de 2008

Vamos falar sobre moda?

O São Paulo Fashion Week acabou, deixando então as tendências para o verão 2009; e olhe que alguns editores andaram cantando a morte das tendências, o que revelaria uma moda mais livre e pessoal, o que em minha opinião ela já é, ao menos quando a plicada a mim, mas isso daqui a pouco explico.


Aos domingos como é um dia mais livre assim que posso leio o jornal, nos demais dias acabo lendo a noite ou pego apenas um caderno para ler no ônibus. Mas o que tem a ver o jornal de domingo com o final do SPFW? É que o caderno especial de Domingo foi praticamente todo sobre as tendências verão e na parte de saúde o assunto foi um corpo de modelo mais saudável.
Fiquei espantada com uma recente pesquisa sobre os hábitos nutricionais de 26 modelos profissionais entre os 14 e 24 anos feita pelo Hospital do Coração (São Paulo). “Delas, 30% eram mal-nutridas com déficit na ingestão de cálcio, ferro e vitaminas do complexo B. Elas ingeriam, em média, metade do potássio recomendado, que é de 3,4 gramas e consumiam 11 miligramas de ferro por dia, quando o ideal são 18. Além disso, elas se alimentavam com excesso de proteína (19% do total calórico, em quanto o recomendado é 15%).
Um dos dados do estudo que mais chamou atenção foi que 50% das modelos que participaram da pesquisa têm gordura corporal maior que 20% quando deveria estar entre 11% e 20% nessa faixa etária. Isso significa que, relativamente, elas tinham mais gordurinhas do que músculos.”
O bom é que agora essas garotas serão acompanhadas durante um ano com orientação nutricional para o ganho de massa magra e perda de gordura, logicamente com atividades físicas. Mas é chato saber que nem todas têm essa “sorte”, quantas outras estão no mesmo barco? Uma má nutrição arrecada problemas muito sérios no futuro como osteoporose, maior facilidade para engordar e, em alguns casos lesões associadas ao crescimento.
Outra coisa preocupante citada na matéria, mas não muito abordada, são justamente as gurias não-modelos e mortais como eu que ao assistir aos desfiles sofrem já que não é qualquer corpinho que fica bonito nos “microminesbiquínis” da moda e acabam fazendo loucuras (literalmente) para chegar a um corpo desejado.



Vamos então a um ponto que eu sempre abro em discussões assim; eu não posso reclamar do meu físico, sou o tipo de magra que tem o corpo mais desenhado, sei que se colocar uma mine saia (mine, não micro) bem arrumadinha, uma camisa pólo e um tênis mais sequinho vou estar bem vestida, com uma boa composição, vamos assim dizer (sem nada destoando). No entanto, não uso isso, passo longe de roupas curtas por não me sentir bem as usando. Sendo assim vou estar “out” se não usar os shortezinhos e as mines nesse verão?
Já se foi o tempo em que a moda reprimia tanto, hoje vejo uma mais democrática, ou quem sabe para mim a moda seja assim (ilusão?). Tudo é muito adaptável e se a “onda” é usar biquínis com cortininhas (exemplo) de que adianta eu usar se não vou me sentir bem ou até mesmo não vai me cair bem? Pode-se estar na moda sem estar igual a todo mundo, e é isso que hoje em dia se é mais procurado na moda, o mais importante e valorizado por mim é o estilo próprio. Ressalvo, ter estilo não é andar com boina porque é diferente (coisa que nem é mais), usar calças feitas de saco de batata (nada contra, se quiser use) ou usar saias godê e escutar musicas de uma cena “underground” , isso é fazer parte de uma tribo urbana. Se pode ter estilo (próprio) sendo headbanger, emo, grunge, ou até mesmo sendo nada (como eu). É, a moda ultimamente nos dá essa opção de o que queremos dela, o que vamos aproveitar. Afinal ninguém merece ser escravo de tendências, né?





Afinal, a Kurkova tava lá no SPFW com as celulites dela, feliz da vida... nós mortais podemos fazer o mesmo, não?



Fotos, créditos: para a Oficina de estilo e a segunda é do desfile da Thais Losso no Fashion Rio


sexta-feira, 27 de junho de 2008

Nelson Mandela

Foi hoje em Londres a comemoração de 90 anos do ex-presidente Sul-africano Nelson Mandela, no Hyde Park ele participou de show em sua homenagem que contou com a presença de personalidades famosas como a cantora mais falada do momento Amy Winehouse, a banda Sugababes e Will Smith (quem abriu as festividades).
Uma galeria está inaugurando também uma exposição com 15 litografias assinadas pelo líder além de fotografias de Jürgen Schadeberg que acompanhou Mandela durante anos, o dinheiro das obras vendidas (que custam em torno de R$ 47,3 mil) serão revertidas em fundos de caridade para instituições da África e Índia. As litografias foram elaboradas entre os anos 2001 e 2002 e fazem referencia aos anos em que ele ficou preso na prisão de segurança máxima de Robben Island. Os lucros arrecadados no show também serão revertidos, mas dessa vez para a instituição 46664 fundada por Mandela para ajudar pessoas com o vírus HIV.


Nelson Rolihlahla Mandela quando ainda era um estudante de direito, envolveu-se com a oposição ao apartheid, regime que reprimia os direitos políticos, sociais e econômicos dos negros na África do Sul, era considerado pelo governo um terrorista. O curioso é que ele e seus colegas apenas recorreram às armas após um massacre que matou 69 manifestantes negros e feriu outros 180, todos desarmadas pela polícia sul-africana (o ocorrido ficou conhecido como massacre de Sharpeville) em 1960 (ele estava lutando contra o “regime” na CNA – Congresso Nacional Africano – dês de 1942).
Foi preso em 1964 pela acusação de planejar ações armadas (confirmado por ele – no caso sabotagens) e conspiração para ajudar outros países a invadir a África do Sul (o que ele nega); e continuou na prisão até Fevereiro de 1990 (ele era condenado à perpétua) quando foi libertado por ordem do presidente Frederik Willem de Klerk graças a campanha da CNA (que acabou saindo da ilegalidade) e por pressões internacionais.
Mandela e Klerk dividiram o Nobel da paz em 1993, pelos esforços desenvolvidos no sentido de acabar com a segregação racial. Em maio de 1994, tornou*se presidente da África do Sul, na primeira eleição multirracial do país e em 1999 após o fim de seu mandato voltou-se para as causas sociais e de direitos humanos.


A festa de aniversário de Mandela coincide com o segundo turno das eleições de Zimbábue que está realizando as eleições “sem apresentar condições para um pleito justo”, palavras da Organização das Nações Unidas, só para explicar rapidamente... Mugabe é o ditador de Zimbábue há quase 30 anos, e participou sozinho das eleições já que seu opositor, Morgan Tsvangirai, abandonou o pleito alegando que os governistas estariam realizando uma violenta campanha de intimidação contra a oposição.
Sobre Mugabe, Mandela o definiu como “trágico fracasso de liderança” em sua estadia na Grã-Bretanha.


"Não há caminho fácil para a Liberdade." Nelson Mandela

quinta-feira, 26 de junho de 2008

O canto perdido

Finalmente criei coragem e estou criando esse Blog.
O Canto Perdido é um passatempo meu a um bom tempo no
fotolog, que embora o formato ficasse muito bonito, não se adaptava mais ao espaço que limita um pouco.
Devo agradecer a criação do blog (não do canto, que já existia) a greve de ônibus que atingiu aqui a cidade e com isso, não fui ao curso.

Por falar em greve quem também está para entrar em greve são os Policias Militares, ontem na CBN um dos idealizadores da greve estava explicando os motivos da possível paralisação até que ele deu um toque de como eles fariam: no dia todos iriam ao Hemope doar sangue. Bem original, não? Gostei muito da idéia, não da greve, mas da conscientização deles. Se bem que não precisamos ficar de greve para ir doar sangue, né? Tá valendo, talvez o Brasil e especialmente os jovens “revolucionários” dele deveriam aprender assim a fazer protestos mais inteligentes, chega de quebrar ônibus porque a passagem aumentou, chega de invadir a faculdade porque não concorda com o que está acontecendo, existem protestos menos “nocivos” aos outros.
Sabe
Guernica, o quadro de Picasso? (esse exemplo tá batido)
Bom, Guernica foi uma cidade bombardeada durante a guerra civil espanhola e é uma crítica ferrenha ao ocorrido, diz uma lenda que um oficial alemão viu uma foto da reprodução e perguntou a Pablo se ele tinha feito aquilo, e a resposta teria sido “Não, foram vocês”. Picasso fala que a aquela pintura não foi feita para decorar quartos e sim que ela é um instrumento de guerra ofensivo e defensivo contra o inimigo. Entende onde quero chegar? A questão não é o protesto e sim a forma como se critica, não estou tolhendo a liberdade de expressão de cada um, longe de mim, mas apenas defendo que se critique de uma forma construtiva. Afinal temos liberdade, mas aprendemos (e muita gente se esquece disso) também a respeitar o espaço e opinião do outro, que espécie de juventude é essa que quer mudar o Brasil que não tem noção de respeito?