domingo, 19 de junho de 2011

Crônicas de Viagem: Ny - O paraíso das compras B&H photo vídeo...


Os planos para o primeiro dia na cidade já estavam definidos meses antes da viajem... Comprar câmeras fotográficas! 
Não sei se vocês repararam, mas de repente as fotos de meus posts simplesmente começaram a sumir... e justamente logo depois da viajem ao Rio.... erm, bom... liguem uma coisa a outra. Não, ela não quebrou... pois é, ela foi roubada. Nada que eu queria falar, foi um ato covarde de um que por estar em quantidade majoritária usou de coação para conseguir o que queria, depois de um dia maravilho e estar a dois dias na cidade, passar por aquilo foi um balde de água fria. Maaaaaaaaas deixa isso pra lá... Porque antes mesmo disso eu já estava precisando de uma nova e planejava gastar minha rica economia da bolsa de estágio com uma nova. A loja? Tinha dúvida? Lógico que não, fomos a loja do coração do meu pai a tão famosa B&H.

Então vamos começar mais um Crônicas de Viajem: Nova York - O paraíso das compras B&H photo video, de pendrive a câmeras subaquáticas 


(Hannah, você fazendo propaganda? 
Pois, é gente, eu falo daquilo que é bom, né?)


A B&H é uma loja-paraíso para você que, como eu e meu pai, é louco por fotografia, filmagem, etc. Ela fica ali, como quem não quer nada na 9ª Avenida, só te esperando... O fantástico nela é simplesmente você tratar com o vendedor que realmente sabe mexer com o produto, os funcionários são treinados regularmente para poderem melhor orientar sua compra. (é tipo o @MundodoCabelereiro das câmeras) Você pode manusear o produto, ninguém vai ficar lhe olhando feio se você resolver pegar uma máquina do mostruário, ligar e começar a estudar as funções. Não sabe falar inglês ou prefere, se possível ser atendido por alguém que fale a sua língua? Isso não é problema para a B&H, com um quadro enorme de funcionários tem aqueles que falam espanhol, francês, Idishe, e logicamente, português - procurem por Moisés e Hugo (este fala português de Portugal) eles ficam no balcão, e como todos os vendedores, são super simpáticos e atenciosos, há também uma mocinha brasileira trabalhando na loja, mas não peguei o nome dela (sorry). Virei fã do Moisés, que me respondeu perguntas até de coisas que não tinham nada a ver com a compra (como ele é judeu ortodoxo eu aproveitei para perguntar algumas coisas sobre a indumentaria de sua religião). 
"Hannah, eu tenho já uma câmera, estava pensando em comprar uma nova mas...." Para tudo! A B&H aceita a sua câmera antiga como parte da negociação, ou simplesmente compra ela (caso você não queira comprar nada da loja). Se bem que segundo o meu pai, dependendo da câmera, você revender no Brasil e converter para dólar talvez fique até mais barato, mas sempre há uma opção.
Na B&H ninguém quer ver você insatisfeito, seja na super-loja em Nova York, seja no atendimento SAC, seja na loja online (que também tem em português!), eles querem independente de onde você esteja, que se torne fã da B&H photo video! (Eu virei! hahahah)


Atenção: Brasileiro têm uma mania engraçada de tocar nas pessoas com quem falam, cuidado, muitos vendedores são judeus ortodoxos. E por restrições religiosas não podem tocar em alguém do sexo oposto sem ser familiar. Exemplo, eu não poderia tocar no Moisés, seria desrespeitoso. 


É isso pessoal, próximo mês vou estar de férias e então mais posts virão... 
desculpem a demora.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Descoberta: Wikifashion, a busca fashion


Vocês conheciam? Eu achei por uma mera obra do acaso (estava tentando achar o blog da mãe da Jane Aldridje)...



Os sistema é bem parecido com o da Wikipédia (com o layout mais bonitinho), com menos artigos. De origem Australiana, criado em 2009 por duas novinhas (26 e 25 aninhos), tem uma separação boa por blogs, designes, editores, programas de tv, websites, terminology, style icons, fotógrafos, lojas, revistas, história, itens, eventos, marcas e coleções (ufa!) 
Algo mais? Ah... elas também tem um blog!

Vamos dar uma olhada? (aqui) Você também pode se tornar contribuidora! Seguir no twitter, e tudo mais...

Ps.: A linda da Kira está lá no Wikifashion!!! () Não tem nada escrito e está desatualizado, mas achei super legal ela estar no site (enquanto muito blog "famoso" não)!

só isso, Beijos

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Detalhe do Herchcovitch...



 ...para trazer ternura aos nossos dias. 

Porque eu achei bem nobreza europeia esses detalhes de bordado e o um pouco de militarismo. E estou precisando sonhar um pouquinho com coisas bonitas... (chega de papéis e músicas chatas entrando na minha cabeça) Porque eu nunca sonho com tecidos lindos e suaves? (se bem que a única vez que eu sonhei com tecido foi uma coisa muito louca, bem cinematrográfico, qualquer dia eu descrevo ele aqui)

Foto: FFW Agência Fotosite
Look completo aqui!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Cadernos - Xadrez


Já entrando em clima junino.... (hahahaha)

A6 
A5


O que acharam desses cadeninhos? Quer um desses pra você?
Mande um e-mail para nós: cantoperdido @ hotmail.com ou deixe um comentário com o seu e-mail que entraremos em contato o mais rápido possível.

Quer outra estampa? Dá uma olhada nas que já temos na página de Cadernos e adiante o seu!

News

Eu estava querendo colocar a segunda crônica de viagem ontem, mas não sei se vocês estão acompanhando o meu twitter (@canto_perdido) ou o Addict (@addictgirls), mas estou na correria da HAIRNOR 2011 e mal deu tempo de respirar esses dias. A feira é maravilhosa com muita gente dedicada a mostrar os seus produtos de uma forma legal e estou achando maravilhosa essa oportunidade. Infelizmente ainda nem tive tempo de comprar nada pra mim, mas acho que hoje (ultimo dia) vou parar um pouco para comprar umas maquiagens para mim e minha mãe (ela também me pediu uma tintura e estou procurando um mousse legal, alguém recomenda? são tantos...).

Bom, é isso... acontecerá ainda outras coisas essa semana que poderão atrasar o post, mas relaxem, ele já está pronto e só falta tempo para as edições (como arrumar a imagem - titulo)...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Hard Working and Ambitious

Anteontem um professor estava falando sobre uma diferença básica entre o nosso povo e o norte americano. É tudo uma questão de mentalidades, "aprendemos" que o trabalho esforçado é "feio".
Admiramos mais aqueles que levam uma vida cheia de "glamour" e riquezas sem fazer o mínimo esforço aparente do que aquele empresário que chegou do nada. Veio de uma família pobre, estudou em colégios públicos (ou conseguiu bolsas de estudos em colégios de elite - em alguns casos, que eu conheço, pagou  de seu próprio bolso para estudar em escolas privadas), fez uma faculdade a trancos e barrancos, tendo ainda que ajudar em casa. Depois disso tudo, consegue por mérito criar uma marca, conseguir investidores e se firmar no mercado... olha-se para ele: "novo rico", torcemos o nariz e preferimos "seguir" aqueles que já nascidos em berço de ouro vivem em um mundo paralelo que mais parece o da série Gossip Girl* (ou alguma celebridade fútil). Achamos "bonito" o "cidadão comum" que tenta passar a perna no "mais poderoso", no governo, nas empresas, em bancos... Criou-se a figura do malandro (o malandro é bom?!).
"No Brasil, o negócio é ser inteligente. Dois alunos tem que fazer uma prova, um passa a noite estudando, enquanto o outro vira o dia no bar... quando os dois se encontram na porta da avaliação se cumprimentam, 'E aí, Estudou?', ambos vão dizer que não.
Se você mandar uma carta de recomendação a uma universidade nos Estados Unidos dizendo que o aluno é inteligente, ninguém vai compreender. Vão indagar 'Ele sabe multiplicas 375 x 563?'. Elogiar um aluno para os norte-americanos é chama-lo de hard working and ambitious.
O mesmo caso dos estudantes se preparando para a prova... um estuda o outro sai para tomar todas... quando se encontram os dois afirmarão que viraram a noite estudando. É bonito ser esforçado."
Por mais que muitos apontem a segunda qualidade como um ponto extremamente desumano no modo de ser americano, se você parar para pensar (e souber separar as coisas - como eu falei na primeira crônica de viagem) faz muito sentido. Eles repudiam aquele que "pisa no pescoço da mãe" para chegar a onde quer, mas o maior xingamento que você pode fazer à ele é dizer: "Você não tem ambição". Se você não tem ambição, porque você vive? E é justamente por você ter ambição que você se esforça tanto para chegar lá (Hard working!).

Saí da sala de aula com uma sensação esquisita; não quero mais ser inteligente, esperta.... (no máximo "lista" como diriam os hispanos) Quero acreditar do fundo de meu coração que eu sou (ou posso ser) uma hard working and ambitious girl.

 
PS.: Sei bem que a figura do malandro não se aplica a muitos brasileiros, inclusive aos esclarecidos leitores desse blog, espero não ter ofendido ninguém.
*sem nenhuma crítica à série que tem o seu papel em entreter, nos deliciando com roupas lindas e não, impor o o padrão de glamour e riqueza dos upper east siders